fbpx

Tipos de E-commerce, em qual o seu se enquadra?

Pode não ser de conhecimento comum, mas existem muitos tipos de e-commerce. Isso porque existem vários modelos de negócios e divisões entre eles, podendo ter um que se adeque melhor a como seu e-commerce funciona ou pretende funcionar.

Entender sobre os tipos de e-commerce auxilia a planejar melhor as ações de marketing, logísticas e financeiras da sua operação.

Por isso, nesse artigo vamos entender melhor sobre cada um deles para que você analise e veja em qual o seu e-commerce se enquadra melhor.

O que é um e-commerce?

Para que entendermos quais os tipos de e-commerce, precisamos primeiro saber o que é um e-commerce.

Então, no sentido literal um e-commerce é o que chamamos de comércio eletrônico.

Dessa forma, sua finalidade é a mesma que um comércio convencional, expor produtos, contar com um estoque, atender clientes e gerenciar os pagamentos das compras feitas na loja virtual, só que tudo isso de forma digital.

Como funciona um e-commerce?

No entanto, mesmo que seja possível compreender o que é um e-commerce na teoria, na prática pode ser um pouco mais difícil de visualizar. Então vamos ilustrar.

Assim como uma loja precisa de um estabelecimento para conseguir vender seus produtos e captar clientes, na internet isso faz parte do e-commerce. Assim, sua loja virtual é como se fosse seu “ponto” na internet.

Portanto, sua operação deve contar com:

-A vitrine: onde estão seus produtos;

A descrição dos produtos: esse por sua vez, fará o papel do seu vendedor, fornecendo informação do seu produto aos clientes;

-O estoque: que precisa estar ligado ao seu e-commerce, garantindo a disponibilidade do seu produto;

-O carrinho: este por sua vez faz o papel do caixa, finalizando a venda do produto e coletando as informações necessárias para que a mercadoria chegue ao endereço;

-O suporte de atendimento: responsável pelo atendimento e pós-venda buscando sempre compreender e atender os problemas dos clientes.

Além desses pontos citados, que serão visualizados claramente na loja virtual, existem também as operações logísticas e de gestão por trás do que a plataforma mostra.  

Por fim, adicionamos a transportadora já que o produto será entregue na casa do cliente.

Portanto, todos os pontos do seu e-commerce precisam trabalhar em sintonia.

Sua hospedagem normalmente é feita por uma plataforma que garante facilitar todos esses processos para que você possa vender sem precisar montar um site completamente do zero.

Incluímos aqui mais uma diferença do seu e-commerce para uma loja física, que é seu funcionamento 24h por dia, potencializando ainda mais suas chances de vendas e altos faturamentos.

Então, agora que você pode entender o que é e como funciona um e-commerce. Falaremos agora sobre os tipos de e-commerce no mercado digital.

Como são categorizados os tipos de e-commerce

Existe, no entanto, diversas formas de categorizar os tipos de e-commerce, sendo estes os mais comuns:

Por perfil

Nesta categoria estão definidos os tipos de e-commerces com base no perfil dos participantes, ou seja, o que define a estrutura está relacionada com o perfil de quem vende e quem compra.

Então, toda a gestão do e-commerce funcionará de acordo com os tipos de clientes e quantidade de produtos ofertados.

Por canal de venda

Nesse tipo de categorização, será levado em conta o ‘local’ virtual por onde acontece a oferta e venda de produtos e serviços. O canal, de certa forma, também se adaptará ao perfil, uma vez que é importante que o cliente consiga realizar suas ações de busca de produtos e compra de maneira satisfatória nele.

Tipos de e-commerce, conhecendo cada um deles

Para que seja mais simples entender essas duas categorias vamos falar a seguir um pouco mais sobre cada tipo de e-commerce com alguns exemplos:

Tipos de e-commerce por perfil

B2B – Business-to-business

O B2B, ou também conhecido como Business-to-Business, é o modelo de comércio eletrônico que é feito de empresa para empresa. Nessa categoria, podem ser encaixadas organizações grandes ou pequenas, mas é preciso que tenha um CNPJ.

Normalmente, a estrutura de compra e venda desse e-commerce é feita em grande volume, ou seja, não é possível comprar apenas um produto.
Como o intuito de vender para outra empresa para fim de revenda ao cliente final, muitas operações acabam estipulando até mesmo um número mínimo para o pedido ser realizado.

Dessa forma, nesse perfil, é muito comum encontrar indústrias, grandes distribuidores e revendedores.

Então, as transações financeiras também são de maior valor, além de a logística precisar também de uma atenção especial.

Podemos citar como exemplo a Nike que vende seus produtos para serem comercializado por outras empresas como a Centauro.

B2C- Business-to-consumer

Provavelmente, o mais comum entre os tipos de e-commerce é o B2C, também conhecido como Business-to-Customer, ou seja, de uma empresa para o consumidor final, mais especificamente, de um CNPJ para um CPF.

Apesar de ser extremamente proveitoso para as empresas terem também um e-commerce, o mercado B2C é bastante concorrido. Por isso, nesse tipo de e-commerce é imprescindível ter um cuidado maior em como a forma que a marca se relaciona com o consumidor, nos canais de relacionamento com o cliente, redes sociais e estratégias de marketing digital.

Além disso, é extremamente importante como os produtos serão apresentados para os clientes, por isso, realizar o cadastro adequado e escolher a plataforma que mais se adequa a esse perfil é de suma importância para o sucesso da sua operação de e-commerce.

Para empresas que vendem diretamente para o consumidor final, pode ser interessante ter também outros pontos de vendas como estratégia e, então, oferecer uma experiência omnichannel para eles. Esse tipo de estratégia garante fluidez na compra e pontos positivos na experiência do cliente, um fator fundamental para a retenção deles.

Aqui se encontram os varejistas, um bom exemplo é a Dafiti.

C2C- Costumer-to-costumer

Falando agora do C2C, a sigla significa Customer-to-Customer ou, em português, de consumidor para consumidor.

Sendo então quando um a venda é feita de um para um e a intermediadora normalmente é uma plataforma ou aplicativos específicos para esse tipo de transação.

Um bom exemplo para ilustrar esse tipo de e-commerce é a OLX, uma plataforma de onde é possível comprar e vender itens novos ou usados.

C2B- Costumer-to-business

Normalmente, esse é pouco conhecido entre os tipos de e-commerce. Sua sigla representa o Customer-to- Business ou, em tradução, de consumidor para empresa. Acontece geralmente por negócios inovadores ou pouco conhecidos no mercado.

Pode ser estruturado como um comércio de exposição de produtos e serviços direcionados para empresas que, quando necessário, contratam esse serviço ou produto.

Para ilustrar melhor um exemplo de C2B, temos as plataformas de banco de imagens ou textos.  Nesse modelo, as empresas ao precisarem desses serviços pagam a plataforma que repassa o valor para o profissional que contém direitos autorais sobre o produto. Sendo assim, a iStock é uma delas.

B2G- Business-to-Government

Certamente um que dificilmente é visto nos e-commerces, por se tratar de um nicho específico é o Business-to-Government, ou de empresa para o governo.

Então, assim como tudo o que envolve empresas que vendem para o governo, uma série de requisitos com o e-commerce não seria diferente. Por isso, para essa categoria as empresas precisam:

-Estar com o pagamento dos impostos em dia;

-Todos os tributos trabalhistas atualizados e quitados;

-Estarem atentas aos editais governamentais;

-Possuir um bom entendimento sobre as etapas de uma licitação pública.

Um exemplo que pode ilustrar esse tipo de segmento é a Mark43 que traz soluções tecnológicas para o sistema de processamento de dados da polícia nos EUA.

C2G- Citizen-to-Government

Se o B2G é incomum, o C2G é ainda mais.

Sua sigla significa Citizen- to- Government, que traduzindo é de cidadão para o governo. Então, para que essa modalidade de e-commerce seja exercida é preciso ter a autorização do governo primeiro.

Portanto, os e-commerce desse tipo são os que terminam com “.gov” e seu intuito principal não é o de comercialização mas, sim, coletar de informações, reclamações e dados dos cidadãos referentes a administração pública ou algum setor específico.

D2C- Direct-to-consumer

Para finalizar nossa lista de tipos de e-commerce por perfil, temos o D2C.
Esse é um tipo bem comum, sendo o Direct-to-Consumer, ou seja, direto ao consumidor.

Em outras palavras, as empresas, distribuidores ou fábricas que não usam intermediários como os varejistas e vendem direto para o seu consumidor final.

Normalmente esse tipo é popularmente conhecido como lojas de fábrica. Mas, diferente do modelo B2B que só vende em grandes quantidades e para CNPJ, este vende diretamente para pessoa física e em poucas unidades.

Um bom exemplo que já citamos no modelo B2B é a Nike, pois além de vender para varejistas ela possui seu próprio e-commerce e vende seus produtos direto para seus consumidores também.

Então, com esse exemplo podemos ver que sua empresa não precisa operar apenas entre um desses tipos de e-commerce, escolher os mais adequados dependerá do seu plano de negócio, tamanho e logística disponível para a operação.

Tipos de e-commerce por canal de vendas

Além dos tipos de e-commerce por perfil, também temos a categoria separada por canal. Nesta temos menos divisões, sendo somente três.

M-commerce

O Mobile commerce, é o comercio eletrônico feito através de aparelhos móveis como, por exemplo, celulares e tablets.

Sem dúvida, o consumo de produtos cresceu muito no M-commerce. Isso porque traz muito mais comodidade para o consumidor comprar com apenas um clique em aplicativos no celular ou sites otimizados para mobile.  

No entanto, esse formato requer que o modelo de aplicativos e sites sejam altamente responsivos e capazes de se adaptar a diferentes marcas e modelos de aparelhos.

Um exemplo de uma empresa que aposta bastante nesse tipo é o Mercado Livre.

S-commerce

Esse é um canal que está ganhando cada vez mais espaço entre as empresas, pois além de unir o relacionamento com os consumidores, também é possível fazer transações comerciais com as ferramentas que essas redes sociais disponibilizam. Estamos falando do Social-commerce.

Esse canal pode compor seu e-commerce trazendo mais um ponto de contato e vendas, já que é possível criar sua conta comercial no facebook ou instagram e criar seu catálogo de produtos. Além disso, é possível inserir links que redirecionam o usuário direto para sua loja virtual.

Atualmente, uma plataforma bastante usada para esse fim é o Facebook, que além de possuir o shopping online também dá as empresas a possibilidade de usarem sua plataforma de anúncios gerando ainda mais tráfego para sua loja online.

Outra novidade, contudo, é o WhatsApp Business que permite a criação de catálogos e, até mesmo, finalizar a compra através do Whatsapp pay. Esse recurso pode ser muito bem explorado por e-commerces para manter relacionamento com clientes antigos e mantê-los atualizados e comprando as novidades que os atraem.

T commerce

O terceiro e último dos três tipos de e-commerce por canal é o TV commerce, que ainda é pouco explorado pelas empresas pela dificuldade de implementação. Mas, que dependendo do produto e público-alvo pode ser uma oportunidade de mercado.

Nesse tipo de canal, a oferta pode ser realizada durante a programação nas smarts tv’s e oferecerem um meio para que enquanto isso o usuário navegue pelos aplicativos e realize a compra.

Como escolher o tipo certo para seu e-commerce?

Então, após perceber que existem muitas opções e tipos de e-commerce para o seu negócio pode parecer difícil entender e aplicar a estratégia que mais se adequa à sua operação. Portanto, para isso é bom antes de tudo fazer uma análise do seu público-alvo e persona.

Certamente, com um mapeamento de persona bem definido já é provável que você tenha uma guia de decisão para um e-commerce que atenda bem ao seu público. Pois, com essa ferramenta você encontra padrões como:

– O que seu cliente compra e a frequência;

-Quais os canais e redes sociais ele mais utiliza;

-Por onde ele sente maior confiança em comprar;

-Quais as necessidades dele;

-Quem são seus clientes potenciais;

-Quais os processos que seu e-commerce precisa ter para atender esses clientes.

Mais um ponto a se considerar na hora de escolher um tipo de e-commerce é o seu nicho e segmento. Assim suas estratégias de atração estarão alinhas para que sua loja virtual seja mais facilmente encontrado pelos consumidores.

Por fim, você também pode analisar seus recursos de investimento em uma plataforma, gestão e logística, já que certamente existem canais que precisam de uma melhor adaptação e manutenção que outros.

Conclusão

Em resumo, um e-commerce é a maneira da sua empresa vender no mercado digital. Podendo, então, estar em diversos canais, a fim de aumentar o ponto de contato com seus clientes.

Por isso, a adequação de perfil e canal dependerá muito das especificidades da sua empresa e plano de negócios.

Então, para isso também é interessante fazer uma pesquisa de mercado. Assim, você entenderá melhor o comportamento de cada tipo de empresa, ações de marketing mais apropriadas e entenderá melhor a logística a ser aplicada na sua operação.

Perceba que seu e-commerce pode operar como B2B e ao mesmo tempo como B2C, por exemplo, não há limitações, apenas especificidades que precisam ser levadas em conta para o sucesso do seu negócio.

Mas, se você ainda ficou com alguma dúvida em relação aos tipos de e-commerce e por onde começar é só deixar aqui nos comentários que vamos responder e te ajudar com todo o prazer.

Confira também

Quer receber mais conteúdos como esse de graça?

Inscreva-se para receber nossos conteúdos por e-mail e fique por dentro de todas as novidades do mundo do e-commerce!

Ge-commerce - Todos os direitos reservados